ensaio

Hoje uma amiga da academia do Rio me manda mensagem dizendo que está com saudade de mim na dança. Respondo que esta semana estou dançando a burocracia da morte. E que é uma coreografia dolorosa e inevitável. São tantos pormenores para quem fica! Miudezas que são grandiosos detalhes e que enriquecem os cartórios.

Minha mãe está ensaiando passos pequenos sozinha, depois de sessenta anos no salão de baile junto com meu pai. Mas esta é a beleza da vida, penso eu. A vida, teimosa, segue e nos arrasta com ela por bem ou por mal. Viver continuará sendo uma bela e saborosa batalha diária. Viver tem sabor à boa luta, mesmo que difícil.

Hoje acordei cedo. Acabou o sono. Levanto e reparo que tudo corre bem. Minha mãe -sem dar ciência- já dorme virada para o lado da cama onde dormia meu pai. Sorrio e pé por pé ponho a chaleira no fogo para fazer café.

Penso, enquanto visto a toalha na mesa: a morte é apenas um novo início. Uma nova dança.

Bodas de Ouro Pai e Mãe 002

Anúncios