Eu sei que é chover no molhado. Relutei em postar algo sobre o já tão celebrado Sebastião Salgado.Esta semana assisti ao documentário “O Sal da Terra” e o que vi e ouvi, além do registro, ainda encontra eco dentro de mim. Lágrimas de emoção mal contidas ao final do filme me avisaram que era grande o “estrago” do espetacular documentário sobre mim . A semana passou e eu não consegui tirar o Tião da minha cabeça.Saíra da sala agradecendo ao universo a alma boa e sensível deste lindo humano. E o trabalho ímpar deste raro espécimen.Quero assistir de novo e de novo. E quero que nasçam mais Salgados para pôr gosto neste mundo. Ou gosto de querer continuar querendo salvar este mundo. A dor só é válida se levar à esperança. E é disto que trata o filme.

Anúncios