Show 2006 041

Faz tempo que não escrevo. Desde o ano passado.

Talvez por achar chato aos leitores compartilhar lamúrias e aflições que , afinal, só devem dizer respeito a mim.

Desde a tireoidectomia ando ensimesmada, reflexiva.

Hoje penso que não foi à toa que protelei por tantos anos a retirada do meu “escudo” da laringe.Parece que no fundo eu já adivinhava que haveria uma consequência nefasta ao me livrar dos montes de nódulos que habitavam a minha benigna tireoide.

Mas houve o grande incômodo ao deglutir, que chamei de CLEC ,algo que raspava milhares de vezes ao dia  a minha laringe e que  me angustiava à noite , sendo sempre pior quando estava deitada de costas,a ponto de precisar levantar-me e distrair-me daquela sensação nem tanto sufocante quanto angustiante. O marido há tempos contava que eu andava roncando. Ops!!!

Houve o caso do câncer de tireoide do meu irmão caçula . E os montes de exames detectando uma grande quantidade de nódulos ( depois soube que eram 11) de tamanhos generosos.

Bah! Estava na hora de deixar de medos e escolher um bom profissional.

Ao que tudo indica era mesmo,pois ao entrar na ante-sala  do consultório eis que deparei com Arnaldo Antunes  , atendido antes de mim. Soube depois que este médico opera muitos cantores.

O corte ficou “ bacano” como diz o padre Décio, lá da minha Rio Grande , a cirurgia aparentemente foi um sucesso. Mas a rouquidão, que a princípio me parecera normal, não desapareceu até agora, passados  mais de dois meses do procedimento. Canso ao falar, não tenho volume na voz e, oh dor, estou com a voz do Barry White, eu que era mezzo- soprano.

Minhas férias foram pontilhadas de momentos sofridos. Não foram poucas as vezes que precisei esconder o choro das pessoas , em especial do meu marido,no carro escutando música, na igreja ao não conseguir cantar. Eu! Que ADORO cantar alto e até fazer segunda voz. Precisei conformar-me em fazer mímicas com a boca , me sentindo grotesca…um pássaro ferido nas asas ,impotente querendo voar .  Assim, precisei pôr  asas na minha alma e pedir que ela levasse meu canto até o altar .Lá , por certo, minha súplica por socorro seria ouvida, pois Deus sabe que meu espírito ficará quebrado se não puder mais voltar a cantar como antes.

Dia destes, conversando com uma amiga, dei-me conta de que talvez esta seja uma nova maneira de exercitar DE NOVO  minha paciência, depois que Deus me levou aquele com quem o fiz por 28 anos.

O médico diz que estou normal.  Que prepotência! Ele nem me conhece , nem à minha voz. Trocou uma dúzia de palavras comigo antes da operação.Prefere fechar os ouvidos à queixa. Dizer que isto nunca aconteceu antes ,que é coisa da minha cabeça. E assim…me deixar ainda mais angustiada, procurando fontes  na internet, desabafando com amigos.

O auge da minha irritação veio quando ele , sem mais argumentos,tentou me convencer de que a voz envelhecia com a idade. Ãh? Peraí ,doutor. Sou loira , mas acho que o senhor está me subestimando.O senhor está querendo me convencer que em um mês e 10 dias minha voz envelheceu a ponto de ficar assim????

Semana que vem  vou fazer uma avaliação de voz com a melhor fono do Brasil, recomendada pela Beta, que conhece bem a minha voz e acredita em mim, ao contrário do médico , que prefere negar, fechar a porta (e dormir tranquilo?) ,enquanto eu volto pra casa cheia de indagações, medos e angústias.

Que pena que a maioria dos médicos é assim! Eu acho que ele é  muito bom.Mas falta sensibilidade,tato, empatia pelo outro.

Minha jornada de recuperação poderia estar sendo tranquila .

Estou , no entanto, confiante de uns dias para cá.Muitos amigos têm estendido a mão.Obrigada Roberta, obrigada Roberto,Lu pela indicação dos florais,Geloka que me ligou contando que sua mãe só recuperou a voz depois de 6 meses, obrigada ao meu marido que me acalma e que vai pagar a paulada da consulta. Não posso deixar de agradecer à Cristina que gentilmente me indicou o médico.E muito obrigada de coração à Betty,cujo maravilhoso blog descobri cavando por uma luz e que foi a primeira a me dar esperanças.

Farei o que for preciso ,vocalizes no supermercado, reiki ,acupuntura, tomarei florais, rezarei com fervor a Deus pedindo de volta o meu dom precioso, que hoje valorizo mais.

Tudo isto me tem feito refletir na quantidade de talentos que temos e que não percebemos.Até perdê-los ou tê-los “fora do ar”.

Fico pensando na angústia dos cantores,profissionais da voz  que têm a voz “quebrada” por algum acidente, operações mal feitas. Quantas vidas são apagadas quando é apagado um dom que te mantém vivo! E como o ser humano tem a capacidade de sobreviver e sobrepujar  as suas perdas e dores.

A minha disfonia pode parecer um luxo comparada a outros males do mundo.

Mas a voz sou eu, ela me representa.Só soube disto agora.

Hoje sou mais um pássaro de asas atadas …esperando a tesoura do destino vir cortar minhas amarras.

tireoide_julho

Anúncios