Estar belo  o tempo todo será mesmo fundamental?

Não estaremos hipervalorizando a forma nos dias de hoje em detrimento do conteúdo? Dedicando tempo e verba demais à nossa imagem? Superestimando o nosso reflexo e esperando do espelho a resposta assertiva de que não, não há no mundo ninguém mais bacana, descolado, malhado,cuidado, hidratado, tonificado, bonito a pampa do que nós? Isto sem falar da alma que, obviamente é linda, nossa melhor parte, mas que-modesta- não aparece refletida no cristal.

Estar belo  o tempo todo será mesmo tão importante? repito.

Entra ano, sai ano, as estações se alternam num lindo balé de muda de roupa e a gente mediocremente tenta acompanhá-las numa dança capenga e sem glamour, cheia de artifícios questionáveis-que nem sempre nos beneficiam.

 

Lotamos salões, clínicas, consultórios, spas. É manicure toda santa semana, pedicure e escova. Depilação, limpeza de pele ( nunca a pele esteve tão suja! ) clareamento de dentes, Botox,preenchimentos, peeling de cristal, peeling com ácidos, peeling a laser,com ponta de diamante, com ponta de criptonita, o diabo a oito! Haja dinheiro, tempo, disposição!

A pressão para ser linda, magra, bem sucedida e feliz  full time! No way out!

Ou no way out?

Dá vontade de se autoimplodir ou definitivamente se jogar dentro da mata atlântica à moda Jane e tentar um modo de vida natural.

Na maior parte das vezes não levamos uma vida social que justifique esta trabalheira toda. Algumas de nós talvez nem trabalhe fora.Talvez este esmero com a aparência seja um grito de socorro, um “despistar” para não pirarmos com o que vemos lá dentro de nós.

Quiçá um artifício que justifique a nossa existência…Um modo de preenchermos o dia…Um brincar de bonecas eterno que não nos permite crescer e aprofundar questões mais importantes…Uma atividade lúdica, uma simples terapia .

???

Nos enfeitamos para os porteiros, caixas do supermercado, da padaria, para o povo da fila do banco, funcionários do próprio salão, para nossas amigas, manicures e olhe lá!

E já ficamos contentes com algumas mãozinhas de curtir ao postar nossas fotos-frutos débeis de nossas modestas produções- no famigerado e questionável facebook friend . Fui cruel, eu sei!

A gente se arruma primeiramente pra nós mesmas! Eu sei. É claro que eu sei! Dahh!

Mas  será que precisamos gastar tanto tempo, energia e dinheiro para isto?

Nossos filhos, marido e amigos, acaso nos amariam menos se baixássemos um tom? Duvido!

Se ao invés de vivermos eternamente de dieta, moribundas, sonhando com uma mesa de brigadeiros numa reta de chegada imaginária resolvêssemos fazer um bolo e chamar os amigos dos filhos para uma reunião mensal ou um almoço num fim de semana, não os faríamos mais felizes com nossa atitude desprendida e amorosa? Ahhhh…Muito trabalho, muita tentação, muitas calorias a mais! Decidimos não pagar o preço desta simpatia e calor humano.

Ou se convidássemos a amiga pra tomar um chá à moda antiga ( bota antiga! ) em casa, não no shopping. Despender um tempo, fazer um mimo.

Mas que tempo? Bater um bolo então, é coisa do passado!Que pena! Quanta coisa se perdeu!

Em contrapartida queremos ser felizes, amadas, mas não fazemos nada por isto. Apenas amizades virtuais, papos esvaziados, tempo gasto com linhas que não amarram gestos concretos.

Prestar atenção no outro sem ser em tom de fofoca…olhar DE VERDADE, com amor…dá pra fazer isto enquanto a gente come um pedaço de bolo e toma um cafezinho ( essa guria tá fixada em bolo, vocês, irão reparar ).

Se isto me incomoda no padrão das pessoas na atual sociedade é porque me vejo lá espelhada .

 A verdade é só uma ! Vivemos numa  sociedade cada vez mais autista! O ser humano está cada vez mais centrado em si mesmo  e precisa desesperadamente gritar EU ESTOU AQUI, VIU? EU SOU FELIZ, BONITO , SAUDÁVEL! EU VIAJO! EU ALMOÇO EM TAL RESTAURANTE! EU TENHO PROJETOS…EU, EU, EU…EU PRECISO  DESESPERADAMENTE QUE VOCÊ ME  ACEITE E ME AME!!!! EU EXISTO !

Como é que nossos pais viviam sem que as pessoas soubessem o que eles estavam fazendo, comendo…para onde e quando estavam viajando, o que estavam lendo. Passava-se uma vida inteira no anonimato, criava-se filhos, uma linda ou trágica história e morria-se sem que ninguém soubesse. Vidas incríveis que nem renderam livros . Será que se perderam? Que não valeram a pena por isto? (Apenas uma reflexão-parênteses dentro desta, que me ocorreu agora).

……….

Estou tomando uma ducha e matutando, digredindo.

E a estação mudou mais uma vez…e eu não tenho corrida para ficar tão bela quanto ela!

Melhor viver mais simplesmente. Amar meu marido, meu filho, meus pais. Demonstrar de um  jeito mais tranquilo (barato) e descomplicado…comendo com gosto, sem contar calorias, não atrasando a saída porque o cabelo está molhado ou não está ao MEU gosto ou dos meus paparazzi  lá fora; não deixando de fazer algum programa porque não deu tempo de fazer a manicure, enfim…a vida é muito mais que estar pronta para um anúncio de Revista NOVA.

Lentamente estou me retirando da civilização… até virar a Mulher Gorila e viver para sempre na montanha.

(mas enquanto este dia não chega preciso dar cabo de todos meus batons Duda Molinos e Mac)

Ps sério: Que tal trocarmos esse tempo gasto excessivamente conosco em algum projeto social? Afinal, o amor compartilhado ainda é a maior beleza que há.

Anúncios